O WAW Rio (Web Analytics Wednesday) de junho abordou a temática da transição dos investimentos publicitários na mídia tradicional para a online. Antonio Lobo (Lobão, como gosta de ser chamado), Coordenador de Marketing Digital da FGV, trouxe como pauta para discussão o caso da Fundação, que em 2011 redirecionou seus investimentos na TV para a internet. Pioneira neste tipo de ação a FGV, com base em analise de resultados dos anos anteriores, resolveu apostar em um mundo de publicidade ainda muito pouco explorado (vale lembrar que o Facebook começou a ganhar mais usuários no Brasil em 2010)“Pulamos em um abismo” – diz Lobão.

Com uma nova estratégia de comunicação, porém ainda o objetivo de conquistar os melhores alunos do ensino médio, a Fundação começou a fase teste da ação em 2010 quando lançou seu primeiro “Desafio FGV”.  Através do desafio os vestibulandos poderiam ter o primeiro contato com grandes empresas (ex. Ipiranga) e participar de desafios de lógica feitos pelas mesmas. Sendo assim, a FGV se tornou uma ponte entre os melhores alunos e as melhores empresas.

Com base nos resultados dessa campanha, em 2011 a FGV abandonou de vez a TV e passou a ter 82% do seu investimento publicitário em mídias online. O “Desafio FGV” foi aprimorado e a adesão dos adolescentes cresceu. Segundo Lobão agora eles estavam atuando no ambiente do seu público alvo, e a ação teve um resultado “ganho, ganho, ganho”: Os alunos ganharam a chance de entrar em contato com grandes empresas, e em alguns casos até sair com um estágio de 3 meses; a empresa, além da publicidade, ganhou soluções para problemas reais que enfrentava; a FGV aumentou sua conversão em  19%.

Depois da palestra, para debater o tema, André Sales, Coordenador de Marketing Digital da Cultura Inglesa, participou da mesa redonda. Também se aventurando no caminho das mídias online, André junto com Lobão respondeu à perguntas feitas pela plateia, e esclareceu que ao se arriscar neste mundo, ainda tão pouco explorado por empresas institucionais, ainda é preciso  estudar muito aonde e quando investir. Ao tirar uma dúvida da plateia, Lobão afirma que a internet é muito volátil e há sempre algo novo. Como a verba de investimento é geralmente a mesma, é preciso estar atento a tudo, e realocar a verba do canal que trouxe menos retorno para o mais promissor, e assim, a base de testes e analises esperar encontrar a galinha de ovos de ouro. André reafirma essa ideia enfatizando o caso da ultima ação online da Cultura, onde o Facebook (pela primeira vez parte do orçamento) “abocanhou” grande parte dos resultados, quase alcançando os displays do Google, o que foi uma grande surpresa.

Confira a apresentação do Antonio Lobo: